O Clube Filosófico Dominical

Eu adoro livros de mistério e investigações e quando encontrei “O clube filosófico dominical” de Alexander McCall Smith achei o título irresistível, some-se a ele a promessa de uma história que junta uma personagem que é filósofa, uma morte ocorrida em uma sala de concertos e que se passa em Edimburgo, Escócia, acrescente ainda nessa equação o fato de ter lido outros livros do autor que em agradaram e pronto minhas expectativas estavam nas alturas.

É claro que esperando tanto assim desta leitura era fato que eu iria me decepcionar, e realmente o gosto amargo da decepção me perseguiu em cada linha, principalmente porque ela veio de onde eu mesmo esperei.

O livro conta a história de Isabel Dalhousie, filósofa escocesa que assiste à morte de Mark Fraser, um total desconhecido quando este cai de uma galeria do teatro. No momento da queda os olhares dos dois se cruzam e partir dai Isabel se sente com a obrigação moral de descobrir o que aconteceu com o rapaz, sim, é isso mesmo só porque os olhos dela cruzaram com o dele por uma fração infinitesimal de tempo, ela acha que tem o direito, opsss o dever de chafurdar na vida de um completo desconhecido.

As divagações filosóficas de Isabel são no mínimo risíveis de tão rasas e infundadas, ela se choca com o jornalista que vai a sua casa para saber mais sobre a morte do rapaz, quando ele lhe diz que vai procurar a família do morto, mas não vê nenhum mal em ela própria fazer “investigações” por conta própria, pois ela reveste suas motivações com um simulacro de moralidade. Este capítulo causa um estranhamento tão grande diante da postura e da fala do jornalista que cheguei a pensar que a trama iria engrenar e ficar mais interessante, no entanto foi só mais uma decepção.

O final do livro reserva algumas surpresas positivas pois, ao contrário do que imaginei a solução do mistério não é fruto direto das investigações mirabolantes de Isabel, ela não se mostrou uma boa detetive afinal e isso me agradou muito, assim como o desfecho da trama em si.

Enfim preciso ressaltar que o tal do clube filosófico dominical do título, não passa de uma promessa, ele é apenas citado em algumas falas do livro e nada mais, o que convenhamos é um desperdício, eu esperava bem mais do livro, fiquei com uma sensação de coisas inacabadas, ele foi um dessas promessas maravilhosas que não se concretizou.

A edição da Companhia das Letras como sempre é ótima, e aqui comento uma curiosidade, eu tenho vários livros deste gênero da editora e todos seguem a mesma linha visual, com o nome do autor numa tarja superior e com as bordas das páginas coloridas e sempre pensei que se tratasse de um coleção ou série, mas não é só mesmo a identidade visual que é assim, eu adoro.

SMITH, Alexander McCall. O Clube Filosófico Dominical. Tradução de Alexandre Hubner. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

0 thoughts on “O Clube Filosófico Dominical

  • 23 de April de 2011 at 15:00
    Permalink

    Que pena que o livro não correspondeu às suas expectativas! Pelo título também imaginei que seria mais interessante.
    Abraço,

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *