Friedrich Hölderlin

Há um tempo atrás, um amigo muito querido me apresentou o poeta Friedrich Hölderlin, fiquei profundamente emocionada com sua obra. Segundo os especialistas, sua poesia sintetiza a visão romântica sobre a natureza, o espírito da Grécia antiga e uma forma não-ortodoxa do cristianismo.
Hoje a poesia de Hölderlin possui grande destaque, no entanto era desconhecida até a metade do século XIX, e seus contemporâneos o consideravam um mero imitador de Schiller, com excessão de Friedrich Nietzsche que era um grande admirador do poeta, inclusive chamando-o de seu “liebling Dichter.”
O poeta nasceu em 20 de Março de 1770 em Lauffen. Em 1805 foi diagnosticado insano e em 1807 foi deixado aos cuidados de Ernst Zimmers, um carpinteiro grande admirador do poeta, que residia em Tübingen. Ele ainda escreveu alguns poemas utilizando o pseudônimo “Scardanelli” e mesmo tendo alguns períodos de lucidez não retornou mais ao convívio social até a sua morte, 36 anos depois, em 1843.
Torre de Hölderlin, Tübingen.
A forma como o primeiro contato com obra de Hölderlin me tocou foi tão forte, que sai em busca de mais e a cada leitura ficava ainda mais encharcada de admiração por este poeta fantástico. Trouxe um trecho de sua obra mais conhecida, a poesia, “A Canção de Hyperion”, (1797 – 1799).

*

*****

A Canção de Hyperion 

Oh santos gênios! Vós caminhais, 
lá por cima, em luz, sobre terra suave. 
Brilhantes deuses etéreos 
Tocam-vos levemente, 
Qual os dedos da artista 
nas cordas santas 

Sem destino, como a criança 
Adormecida, os anjos respiram; 
Castamente guardado 
Em discretos botões, 
O espírito floresce-lhes, 
Eterno, 
E os santos olhos 
Vêem em silenciosa 
E eterna claridade.

Aqui é possível ler a tradução de “No bosque”, feita por Igor Fracalossi,  aqui é possível escutar Martim Heidegger lendo o poema original em alemão e aqui é possível ler cinco poemas traduzidos por Luís Costa.
****
****
Referências
COSTA, Luís. Friedrich Hölderlin ou a reconciliação dos contrários. Agulha Revista de Cultura #58. Fortaleza. jul/ago. 2007.
Friedrich Hölderlin. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.
http://www.truca.pt/ouro/biografias1/friedrich_holderlim.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Friedrich_H%C3%B6lderlin

0 thoughts on “Friedrich Hölderlin

  • 9 de November de 2012 at 19:37
    Permalink

    A pesar de considerado insano e ter passado por momentos de dificuldade não perdeu a delicadeza, não é mesmo?
    Fiquei encantada e feliz por achar um blog tão doce 🙂
    Obrigada!

    Reply
  • 10 de November de 2012 at 06:32
    Permalink

    Que lindo! Sabe que nunca fui de curtir poesia, mas ultimamente estou curiosa pra ler mais? Eu fiz uma para um trabalho da aula de escrita criativa, sobre as noites sem sono das jovens mães. 🙂

    Reply
  • 17 de November de 2012 at 00:22
    Permalink

    Ah que lindo!
    Hölderlin é um desses casos excepcionais na vida. Um beijo grande e sua amizade e companhia são igualmente maravilhosos.

    Reply
    • 18 de November de 2012 at 21:08
      Permalink

      Oi @Bento querido, obrigada, mais uma vez por me apresentá-lo, só mesmo um ser humano especial e único como tu é que poderia descortinar diante de meus olhos tamanha lindeza.

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *